segunda-feira, 18 de janeiro de 2016

REVISÃO DE 2015




Boa tarde!
Fui desafiada a responder 40 perguntas de uma revisão de 2015 , tentarei responder com clareza e resumidamente  para que vocês possam ler (se quiserem é claro).
A blogueira que me desafiou pediu que eu não revelasse seu nome e que fizesse este desafio a 05 pessoas , achei este exercício maravilhoso porque nos permite rever nossos conceitos e também analisar como foi esta avalanche chamada de 2015

1-SE VOCÊ TIVESSE QUE DESCREVER SEU ANO EM 3 PALAVRAS, QUAIS SERIAM?
Trabalho, desafios. Conquistas, trabalho e trabalho.

2-QUAL CONQUISTA VOCÊ MAIS SE ORGULHA?
  O reconhecimento da população do meu trabalho

3-QUE COISAS NOVAS QUE VOCÊ DESCOBRIU SOBRE SI MESMO?
Que sou mais forte do que imaginava ser

4-. QUAL FOI A MELHOR NOTÍCIA QUE VOCÊ RECEBEU?
Ser vitoriosa em um litígio

5-QUAL FOI O LUGAR FAVORITO QUE VOCÊ VISITOU?
Não me lembro

6-QUE QUALIDADE PESSOAL ACABOU SENDO A MAIS ÚTIL ESSE ANO?
Empatia  

7-. QUEM FOI A PESSOA QUE TE DEU MAIS SUPORTE ESSE ANO QUE PASSOU?
Minha filha Larissa embora ela não saiba isto

8-QUE NOVAS HABILIDADES VOCÊ APRENDEU?
Ouvir ,Calar e Aprender

9. DO QUE VOCÊ É MAIS GRATO?
A minha fé

10-QUAL FOI O MAIOR OBSTÁCULO QUE VOCÊ ULTRAPASSOU ESSE ANO?
A depressão

11-. DE 0 A 10 QUE NOTA VOCÊ DARIA PARA SUA DISPOSIÇÃO NO ANO QUE PASSOU?
6.0

12-QUE CRENÇA VOCÊ SUPEROU?
De que as pessoas são confiáveis sempre

13-QUAIS FORAM AS 5 PESSOAS MAIS IMPORTANTES PARA VOCÊ NESSE ANO?
Cassio ,Sara,Larissa, meus filhos queridos

14-. QUAL FOI O MELHOR LIVRO QUE VOCÊ LEU?
O monge e o executivo

15-QUAL FOI O ELOGIO MAIS IMPORTANTE QUE VOCÊ RECEBEU ESSE ANO?
De meu filho quando disse que sempre me levanto nas quedas

16-O QUE ACONTECEU NESSE ANO QUE VOCÊ SENTE MAIS ORGULHO?
A minha luta constante em arranjar vagas para os pacientes na fila da central de vagas

17-. QUAL FOI O FILME MAIS BACANA QUE VOCÊ ASSISTIU?
Rsrsr...”Minha mãe é uma peça”

18-. O QUE TEVE MAIS IMPACTO NA SUA VIDA ESSE ANO?
O acontecimento com o Rio Doce

19-. COMO VOCÊ CONTRIBUIU POSITIVAMENTE NO MUNDO?
Amando e ajudando as pessoas

20-QUAL FOI A META QUE VOCÊ ATINGIU?
Continuo na luta

21-QUE COISA FOI COMPLETAMENTE DESNECESSÁRIA ESSE ANO QUE PASSOU?
O tempo que perdi

22. QUAL A NOVA CRENÇA POSITIVA QUE FAZ PARTE DA SUA VIDA?
Lutar sempre

23. QUE EXPERIÊNCIA VOCÊ GOSTARIA DE FAZER NOVAMENTE NO PRÓXIMO ANO?
Trabalhar com saúde

24. QUE COISA VOCÊ FARIA DIFERENTE E PORQUE?
Confiaria menos nas pessoas porque é salutar

25. QUAL FOI O PRESENTE MAIS LEGAL QUE VOCÊ RECEBEU?
Não lembro

26. QUAL FOI A MAIR LIÇÃO QUE VOCÊ APRENDEU?
Que devemos confiar menos nas pessoas

27. O QUE MAIS TE INSPIROU?
A vontade de que as coisas dessem certo

28. QUE CONSELHO VOCÊ DARIA PARA VOCÊ SE PUDESSE VOLTAR NO INÍCIO DO ANO?
Confiar menos

29. QUE HISTÓRIAS VOCÊ CONTOU PARA SI MESMO E QUE TE LIMITARAM?
Se tivesse feito isto teria tomado cuidado

30. QUE NOVO HÁBITO VOCÊ CULTIVOU?
Ouvir mais e falar pouco

31. O QUE VOCÊ DESEJA QUE SEJA O TEMA PRINCIPAL PARA SEU ANO NOVO?
Fé, Deus e Família

32. O QUE VOCÊ QUER VER, DESCOBRIR E EXPLORAR?
Quero viajar ,estudar e viver

33. COM QUEM VOCÊ QUER PASSAR MAIS TEMPO NO PRÓXIMO ANO?
Família

34. QUAIS AS HABILIDADES QUE VOCÊ QUER APRENDER OU MELHORAR?
Cultivar o silêncio

35. O QUE VOCÊ GOSTARIA DE MUDAR QUE FARÁ MAIOR IMPACTO NA SUA VIDA?
Alimentação

36. COMO VOCÊ IMAGINA SUA ROTINA NO ANO NOVO? (ESCREVA TODOS OS DETALHES)
Ainda não me programei mas pretendo criar uma rotina

37. QUAIS OS HÁBITOS QUE VOCÊ QUER MUDAR, CULTIVAR OU SE LIVRAR?
Horário de sono, alimentação

38. O QUE VOCÊ QUER ALCANÇAR EM TERMOS DE CARREIRA?
Só ser feliz

39. COMO VOCÊ QUER SE LEMBRADO NO FINAL DO ANO QUE VEM?
Que eu fui feliz durante 2016

40. QUAL É O SEU OBJETIVO NÚMERO UM PARA O ANO NOVO?

Escrever muito

Gostaria que alguns amigos respondessem e me enviassem 
Sintam se convidados
Grande abraço

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

AUTOR DESCONHECIDO


Queridas amigas!!!

Muito do que está aqui é sacanagem, mas.... outras nem tanto!...
Peço a compreensão das amigas politicamente corretas e a contribuição
das cínicas inveteradas, como eu.

Desculpem, gostaria de ser uma doce sessentona convencida de que a
velhice é um estado de espírito mas a vida me prova o contrário. Além
do mais, se quiserem ler crônicas otimistas, Martha Medeiros e Lya
Luft estão aí prá isso. Meu negócio é rir!!

Para não ficar uma velha “sem noção” é fruto do meu profundo
interesse pela velhice e pelo bem estar da sociedade. (Eu podia ter
organizado os lembretes por “família, trabalho, lazer, higiene e
saúde” mas decidi já ir me acostumando com o estado de confusão mental
provável e deixar a tarefa de me fazer entender para os mais jovens).
Acho bom ler e levar a sério, principalmente as coisas que parecem
mais desagradáveis.
Aguardo contribuições mas sei que posso receber cacetadas Se quiserem
passar adiante sem me dar os créditos, não tem problema. Como tou
ficando velha, é capaz de receber e-mail com este texto, dizendo que
foi escrito por Luis Fernando Verissimo e nem lembrar que fui eu que
escrevi:

Larrai:

1- Aceite a velhice, recuse metáforas. Terceira idade, melhor idade
é p*#@**q*#@*#riu!!!. Ser velha não é crime, é apenas constrangedor e
a última sacanagem que o Criador comete contra nós.


2- Viva com inteligência o tempo de vida útil que lhe resta. Viva a
sua vida, não a dos seus filhos, netos e/ou marido ( se é que ainda há
algo que possa ser chamado disso). Tenha seus próprios interesses e
projetos. Ainda se tem direito aos sonhos. Aliás, em breve teremos
direito só aos sonhos.


3- Coma menos, beba menos e fale menos. Velhas magras, sóbrias e
contemplativas são menos doentes e chatas.


4- Poupe seus familiares e amigos ( para aquelas que ainda tem
alguns ) de conversas sobre o passado, doenças e dinheiro. Estes
assuntos devem ser tratados, só e somente só, com seu psicoterapeuta.
Em caso de emergência, a exceção é aquela sua amiga que já teve dois
AVC’s e não tem condições de reagir.


5- Não aborreça ninguém com os relatórios das suas viagens. As
viagens de velhas são interessantes só pra elas mesmas. Aprenda a ser
concisa, comente apenas o destino e a duração da viagem. Se por algum
milagre, alguém perguntar mais alguma coisa, procure responder com
monossílabos.


6- Escolha um bom médico. Ele sim, vai ser seu pai, irmão, marido e
amigo querido. Não se automedique. Não há nada mais irritante do que
velha metida a curandeira.


7- Não arrisque cirurgias plásticas rejuvenescedoras. A chance de
ficar mais feia é altíssima e a de ficar mais jovem é baixíssima.


8- Use seu dinheiro com critério. Gaste em coisas importantes e
evite economizar demais. Para que deixar herança para noras e genros
que mal lhe aturam ou sobrinhos e netos que mal lhe conhecem?


9- Velhice não nos dá o direito de ser mal educadas. Nada de falar
de boca cheia, emitir sons e odores indesejáveis, cutucar dentes, etc.
Atenção redobrada se você já não era nenhuma dama na juventude. Casca
grossa só piora depois de senil.


10-Faça uma guerra sem descanso aos farelos que insistem em se alojar
nos cantos da sua boca (nos velhos, eles preferem o queixo). Você
notou que tem sempre um filho de plantão passando um guardanapo na
boca das mães velhas?!!


11- Só masque chiclete na ausência de testemunhas. Não corra o risco
de acharem que você já está ruminando ou falando sozinha.


12- Pense muitas vezes antes de se aposentar. Trabalhar tem muitas
vantagens, além do dinheiro. A principal delas é para sua família: são
seus colegas de trabalho que vão ter que lhe aguentar a maior parte do
tempo.


13- Cuidado com a nostalgia e o otimismo. Velhas tristes são
chatíssimas. Velhas alegres demais, mais ainda. Não se ofereça para ir
a carnaval fora de época com seus sobrinhos. Fora de época, é você.
Não tenha certeza de que vai ser uma companhia agradável em
acampamentos, raves e shows de rock. Um ataque cardíaco pode acabar
com a festa de todo mundo.


14- Se foi mística, esotérica ou engajada na juventude, controle-se.
As pessoas lhe aguentavam quando os hormônios estavam a seu favor,
agora elas podem querer realizar o desejo de matá-la que tinham no
passado, para acabar com a tortura das suas pregações.


15- Leia muito. Ainda há tempo para gostar de aprender. Velhice pode
trazer experiência, não sabedoria. Ter um livro sempre à mão também
serve para o caso de sua surdez não permitir acompanhar a conversa.
Todos vão adorar não ter que repetir aos gritos respostas a perguntas
“sem noção”.


16-Tenha o máximo de cuidado com a higiene. Velha fedida é duro de
aguentar. Ah, cheirando a perfume francês vencido, também.


17- Não acredite nas colegas otimistas que dizem que não tem nada
demais em usar minissaias, fio dental, figurinos sadomasoquistas ou
decotes provocantes. Tem sim, eles provocam atentado à estética. E
riso descontrolável, também.


18- Cuidado com a maquiagem. Já notou que velhas vão ficando parecidas
com velhos e ambos com travestis? Maquiagem pesada só serve para
reforçar a personagem.


19- Seja avó do seus netos, não mãe ou babá. Por isso nem pense em
educá-los ou em comprometer seu tempo com as tarefas chatas de ir
buscar na escola, festinhas, natação, inglês, etc mil vezes. Ser
folguista de babá, nem pensar!!! Se a sua nora for chata, esta é a
chance perfeita de sacaneá-la, deixando que ela faça sua obrigação de
mãe. Não tenha remorso, por mais que você se esforce nunca vai
conseguir sacaneá-la mais do que ela a você. Lembre-se de que agora
seu filho deve obediência a ela e não mais a você.


20- Se alguém perguntar como vão seus netos, não precisa contar
tuuuuuuuudo! Evite discorrer sobre sua (deles, óbvio!!) inteligência
excepcional, beleza rara, fantásticas habilidades esportivas e
genialidade com a tecnologia. Lamento informar que todos eles são
iguais e assim, agora.


21- Não seja uma sogra chata, gratuitamente. Só se tiver um bom
motivo. Lembre-se de como era a sua ( ou as suas) e passe a limpo.
Agora que você já sacou que não tem como mudar seu marido, cuidado
para não apontar as armas para as noras e genros. Falar mal deste tipo
de gente é deplorável. Se tiver genro, dê sempre razão a ele, se sua
filha for um pé no saco. Lembre-se que, para implicar com ela, ele vai
sempre lhe defender quando ela comentar como você é chata,
controladora, antiquada, desinformada, espaçosa, blá, blá....


22- Seja machista. Ainda é tempo. Caímos no conto do feminismo e nos
lascamos.


23- Nunca, nunca, nunca mesmo, visite seus filhos sem que seja
convidada, pelo menos 3 vezes.


24- Cuidado ao atender o telefone. Se responder “Estou levando a vida
como Deus quer”, quando lhe perguntarem “Como vai?”, isto pode
provocar um problema irreversível na sua linha telefônica, ela pode
ficar muda por semanas. Você vai ver que as ligações dos amigos e
filhos vão rarear, cada vez mais. Se quiser que a linha dê um “tilt”
para sempre, pode responder aos seus filhos com a simpática frase:
“Ah, lembrou que tem mãe?”. Mesmo que eles lembrem, vai ser difícil
telefonar prá você.

ATENÇÃO!!

Esta lista pode ser usada como teste (mulheres adoram testes) para
saber seu grau de “sem-noçãozice”. Mas se você for chata mesmo, pode
aplicar nas suas amigas. Não confesso meu grau, nem sob tortura. Mas
confesso que já fiz alguns estudos de caso. Acredito piamente que vaso
ruim não quebra e tento ficar cada dia pior.

domingo, 10 de janeiro de 2016

EU ENVELHECI

Um dia desses uma jovem me perguntou como eu me sentia sobre ser velha. Levei um susto, porque eu não me vejo como uma velha. Ao notar minha reação, a garota ficou embaraçada, mas eu expliquei que era uma pergunta interessante, que pensaria a respeito e depois voltaria a falar com ela. Pensei e concluí: a velhice é um presente. Eu sou agora, provavelmente pela primeira vez na vida, a pessoa que sempre quis ser.
Oh, não meu corpo! Fico incrédula muitas vezes ao me examinar, ver as rugas, a flacidez da pele, os pneus rodeando o meu abdome, através das grossas lentes dos meus óculos, o traseiro rotundo e os seios já caídos. E constantemente examino essa pessoa velha que vive em meu espelho (e que se parece demais com minha mãe), mas não sofro muito com isso.
Não trocaria meus amigos surpreendentes, minha vida maravilhosa, e o carinho de minha família por menos cabelo branco , uma barriga mais lisa ou um bumbum mais durinho.
Enquanto fui envelhecendo, tornei-me mais condescendente comigo mesma, menos crítica das minhas atitudes. Tornei-me amiga de mim mesma. Não fico me censurando se quero comer um bolinho-de-chuva a mais, ou se tenho preguiça de arrumar minha cama, ou se compro um anãozinho de cimento que não necessito, mas que ficou tão lindo no meu jardim. Conquistei o direito de matar minhas vontades, de ser bagunceira, de ser extravagante.
Vi muitos amigos queridos deixarem este mundo cedo demais, antes de compreenderem a grande liberdade que vem com o envelhecimento. Quem vai me censurar se resolvo ficar lendo ou jogar paciência no computador até às 4 da manhã e depois só acordar ao meio-dia?
Dançarei ao som daqueles sucessos maravilhosos das décadas de 50, 60, 70 e se, de repente, chorar lembrando de alguma paixão daquela época, posso chorar mesmo!
Andarei pela praia em um maiô excessivamente esticado sobre um corpo decadente, e mergulharei nas ondas e darei pulinhos se quiser, apesar dos olhares penalizados dos outros. Eles, também, se conseguirem, envelhecerão.
Sei que ando esquecendo muita coisa, o que é bom para se poder perdoar. Mas, pensando bem, há muitos fatos na vida que merecem ser esquecidos. E das coisas importantes, eu me recordo freqüentemente. Certo, ao longo dos anos meu coração sofreu muito.
Como não sofrer se você perde um grande amor, ou quando uma criança sofre, ou quando um animal de estimação é atropelado por um carro? Mas corações partidos são os que nos dão a força, a compreensão e nos ensinam a compaixão. Um coração que nunca sofreu é imaculado e estéril e nunca conhecerá a alegria de ser forte, apesar de imperfeito.
Sou abençoada por ter vivido o suficiente para ver meu cabelo embranquecer e ainda querer tingi-los a meu bel prazer, e por ter os risos da juventude e da maturidade gravados para sempre em sulcos profundos em meu rosto. Muitos nunca riram, muitos morreram antes que seus cabelos pudessem ficar prateados.
Conforme envelhecemos, fica mais fácil ser positivo. E ligar menos para o que os outros pensam. Eu não me questiono mais. Conquistei o direito de estar errada e não ter que dar explicações. Assim, respondendo à pergunta daquela jovem graciosa, posso afirmar: “Eu gosto de ser velha”. Libertei-me!
 (Texto de autora desconhecida)

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

SOLIDÃO É FUNDAMENTAL!!

“Que me desculpem os desesperados, mas solidão é fundamental para viver.
Sem ela não me ouço, não ouso, não me fortaleço. Sem ela me diluo, me disperso, me espelho nos outros, me esqueço. Sem ela os silêncios são estéreis e as noites sôfregas, povoadas de assombramentos e desejos insaciáveis. Sem ela não percebo as saídas, os milagres, os espinhos. Não penso solto, não mato dragões, não acalanto a criança apavorada em mim, não aquieto meus pavores, meu medo de ser só. Sem ela sairei por aí, com olhos inquietos, caçando afeto, aceitando migalhas, confundindo estar cercada por pessoas com ter amigos. Sem ela me manterei aturdida, ocupada, agendada só para driblar o tempo e não ter que me fazer companhia. Sem ela trairei meus desejos, rirei sem achar graça, endossarei ideias tolas só para não ter que me recolher e ouvir meus lamentos, meus sonhos adiados, meus dentes rangendo. Sem ela, e não por causa dela, trocarei beijos tristes e acordarei vazia em leitos áridos. Sem ela sairei de casa todos os dias e me afastarei de mim, me desconhecerei, me perderei.
Solidão é o lugar onde encontro a mim mesma, de onde observo um jardim secreto e por onde acesso o templo em mim. Medo? Sim. Até entender que o monstro mora lá fora e o herói mora aqui dentro. Encarar a solidão é coisa do herói em nós, transformá-la em quietude é coisa do sábio que podemos ser.
Num mundo superlotado, onde tudo é efêmero, voraz e veloz a solidão pode ser oásis e não deserto. Num mundo tão volúvel, desencantado e ansioso a solidão pode ser alimento e não fome. Num mundo tão barulhento, egoísta, atribulado a solidão pode ser trégua e não luta. Num mundo tão estressado, imediatista, insatisfeito a solidão pode ser resgate e não desacerto. Num mundo tão leviano, vulgar, que julga pelas aparências e endeusa espertalhões, turbinados, boçais a solidão pode ser proteção e não contágio. Num mundo obcecado por juventude, sucesso, consumo a solidão pode ser liberdade e não fracasso.
Tempo e solidão são hoje os bens mais preciosos, o verdadeiro luxo.
Marque encontros com você mesma. Experimente. Dê-se um tempo. Surpreenda-se. Solidão é exercício, visitação. É pausa, contemplação, observação. É inspiração, conhecimento. É pouso e também voo. É quando a gente inventa um tempo e um lugar para cuidar da alma, da memória, dos sonhos; quando a gente se retira da multidão e se faz companhia. Quando a gente se livra da engrenagem e troca o medo de ser só pela coragem de estar só. Não falo de isolamento, nem ruptura ou apartamento. Adoro gente, mas mesmo assim, e talvez até por isso, preciso de solidão. Preciso estar em mim para estar com outros.
Ninguém quer ser solitário, solto, desgarrado. Desde que o homem é homem, ou ainda macaco, buscamos não ficar sozinhos. Agrupamo-nos, protegemo-nos, evoluímos porque éramos um bando, uma comunidade. Somos sociáveis, gregários. Queremos família, amigos, amores. Queremos laços, trocas, contato. Queremos encontros, comunhão, companhia. Queremos abraços, toques, afeto. É a nossa vocação. Mas, ainda assim, revendo o poeta, ouso dizer: é preciso aprender a estar só para se gostar e ser feliz.
O desafio é poder recolher-se para sair expandido. É fazer luz na alma para conhecer os seus contornos, clarear o caminho e esquecer o medo da própria sombra. Existem pensamentos, orações, sorrisos, encontros e realizações que só acontecem quando estamos a sós. Existem curas, revelações, ideias, lembranças que só podem vir à tona quando estamos sós. Mesmo os momentos compartilhados só serão inesquecíveis se uma parte nossa estiver inteiramente só para apreender tudo que apenas a nós se revelará e tocará.
Existe uma pessoa que só conhecemos se conseguimos ficar sós: nós mesmos!
Seja amigo da solidão. Aceite seus convites, passeie com ela, desmistifique-a. Não corra dela, não tenha medo. Desassombre-se.
Ouse a solidão e fique em ótima companhia.”
Hilda Lucas